Seguros

Consórcio de veículos ou financiamento: qual escolher?

consórcio de veículos
Escrito por Eusebio Garcia

Saiba tudo sobre consórcio de veículos ou financiamento.

Locomover-se nos grandes centros urbanos pode ser um desafio. A necessidade de se deslocar diariamente, a má condição do transporte público e as altas no preço das passagens são alguns dos fatores que dificultam as dinâmicas de circulação nas cidades — o que torna o automóvel próprio o sonho de muitos brasileiros.

Na hora de comprar, porém, como escolher entre o consórcio de veículos ou o financiamento?

A dúvida assola um bom número de brasileiros. Apesar da crise econômica, a Federação dos Concessionários (Fenabrave) mostrou que, em 2017, a venda de veículos novos teve um aumento de 9,23% no país.

O volume de compradores é expressivo, e pensar sobre as melhores formas de comprar é indispensável.

Conheça como cada plano de compra funciona e quais são as vantagens e desvantagens de ambos. Nossas dicas ajudarão a fazer uma escolha segura, adequada às suas necessidades. Acompanhe!

O financiamento de veículos

Nesse caso, o banco realiza o empréstimo do valor total do veículo e faz o pagamento à vista para a concessionária escolhida pelo cliente. O consumidor, por sua vez, paga parcelas mensais ao banco até que seja quitado o débito — o tempo médio de duração gira em torno de dois a quatro anos.

Para que o financiamento seja aprovado, a instituição financeira realiza a análise de crédito. Nesse processo, é verificada a renda do solicitante, inclusive suas dívidas em aberto, confirmando que o cliente tem condições para quitar o valor a ser financiado.

Em caso de aprovação, a financeira cobra juros mensais. Isso, claro, deixa a dívida maior do que a quantia que foi emprestada. Também há a necessidade de quitar um valor de entrada.

A importância do planejamento

Para não se perder nos cálculos e aumentar sua dívida, é essencial realizar um bom planejamento e simular as parcelas antes de comprar o carro. Não economize perguntas na hora de tirar dúvidas.

Atenção: Ao financiar o veículo, no financiamento, fica em nome do banco. Então, caso as parcelas não sejam pagas com assiduidade, o automóvel pode ser facilmente tomado. 

As regras são muito semelhantes quando o objetivo é financiar um imóvel. Os valores, claro, se diferem, mas as condições do acordo costumam ser as mesmas.

No caso do financiamento de um carro, é preciso dar como entrada 10% do valor total do veículo. Para um automóvel de R$ 30 mil financiado pela Caixa Econômica, por exemplo, o valor de taxa seria de R$ 3 mil. 

Assim, R$ 27 mil serão financiados pelo banco em um prazo de 60 meses. Com juros de 2% ao mês, o valor total será de R$ 46.604,40, com parcelas fixas de R$ 776,74.

O consórcio de veículos

Nessa segunda opção, é formado um grupo de consórcio com pessoas predispostas a financiar um automóvel com o mesmo valor.

É uma espécie de compra coletiva gerenciada por uma administradora. Todos os interessados pagam parcelas mensais para a instituição que administra o consórcio e têm as mesmas chances de receber o veículo, já que a decisão é dada por um sorteio.

Quando a soma dos pagamentos das parcelas dos consorciados chega ao valor do veículo, um dos participantes é sorteado, e recebe a carta de crédito para comprar o automóvel.

Também é possível oferecer lances, dando um pagamento mensal maior do que o acordado. Ao fim, aquele que dá o maior lance fica com a carta de crédito, sem necessidade de sorteio.

O preço do consórcio

Caso você seja contemplado com o veículo, mas não tenha ainda encerrado o consórcio, o automóvel ficará como garantia da administradora financeira. Por isso, não atrase os pagamentos, ou o carro poderá ser facilmente recolhido pela instituição.

Comparando o financiamento com o consórcio de veículos na Porto Seguro Consórcio, podemos esquematizar: imagine uma carta de crédito no valor de R$ 25 mil divididos em 72 meses, com parcelas que se iniciam em R$ 433,31, para fechar esse consórcio, o valor final é de R$ 31.198,32.

Os juros e as taxas de administração

Enquanto o financiamento cobra juros, o consórcio realiza a cobrança da taxa administrativa em cada parcela.

É claro que a dívida aumenta com essas incidências, por isso, uma dica interessante é comparar os valores antes de optar definitivamente por um modelo de compra.

As taxas de administração cobradas no consórcio costumam ser menores do que os juros do financiamento, levando o cliente a pagar menos ao fim do processo. 

Algumas administradoras ainda imputam outros valores nas parcelas, como fundo de reserva e taxas de seguro. Não deixe de conferir cada entrelinha do contrato para não ser surpreendido com custos adicionais.

Não há a incidência de taxa de adesão, mas a administradora pode cobrar um valor na primeira ou nas primeiras parcelas para cobrir despesas do grupo e remuneração de colaboradores. Ainda assim, o consórcio de veículos tende a ser mais interessante para quem quer economizar.

Ainda tomando por referência a Caixa Econômica, é cobrada uma taxa administrativa de 14%, 3% de reserva e um percentual de seguro de vida de 0,0680% — taxas essas anuais válidas para um plano de 70 meses, mais 1% de antecipação. No financiamento, a mesma operadora financeira chega a cobrar 26,86% anuais.

Os financiamentos sem juros

Há no mercado algum financiamento sem juros? Normalmente, essa não é uma opção. 

Um financiamento só pode ser considerado livre de taxas se o valor financiado for exatamente o mesmo do preço à vista.

Fique de olho nas taxas cobradas! Pode haver uma incidência de taxas de abertura de crédito, chamada também de TAC, TC ou TIR. Também pode ser que o anúncio esteja escondendo a diferença do preço à vista e a prazo.

Outro ponto merece atenção. No financiamento, já se sabe desde o começo o quanto deverá ser pago. Em um consórcio, caso haja um aumento no valor de fábrica do veículo, o aumento pode ser rateado pela administradora financeira. Cheque essas possibilidades antes de assinar o contrato.

O consórcio de veículos e o financiamento são boas opções para quem quer ter seu próprio automóvel e não tem a quantia total para realizar o pagamento à vista. 

O segredo é escolher a alternativa com o melhor custo-benefício e que esteja alinhada às suas expectativas e capacidade financeira. Para fugir dos juros exorbitantes, o planejamento é o melhor caminho a seguir.

Ficou interessado em adquirir seu próprio veículo? Entre em contato com a Alliate hoje mesmo e receba as melhores orientações para fechar negócio com segurança. Seja para adquirir o consórcio ou o financiamento! Esperamos seu contato!

Sobre o autor

Eusebio Garcia

Deixar comentário.

Share This