Gestão de Pessoas

Presenteísmo no trabalho: como ele pode afetar a empresa?

Presenteísmo no trabalho, ABRH, Funcianária no mundo da lua
Escrito por Eusebio Garcia

Saiba como o presenteísmo no trabalho pode influenciar resultados.

A manutenção de um alto nível de produtividade é uma das maiores preocupações dos líderes nas empresas. Como estamos falando de seres humanos, a identificação dos problemas e suas soluções nunca é uma tarefa simples.

Sabe-se que o absenteísmo é uma das causas da queda na produtividade da empresa, pois quando o funcionário falta ao trabalho, desfalca a equipe e faz com que as atividades tenham que ser redistribuídas ou que as entregas sejam postergadas.

Mas você já ouviu falar do presenteísmo? Essa é uma questão menos debatida, mas igualmente importante.

Neste post, vamos explicar o que é presenteísmo no trabalho, qual a diferença em relação ao absenteísmo, como ele impacta o turnover da empresa, quais são as suas causas e o que a empresa pode fazer para lidar com o problema. Acompanhe!

O que é presenteísmo e absenteísmo?

O absenteísmo é um conceito mais conhecido. Ele ocorre quando o funcionário começa a faltar ou se atrasar para o trabalho com frequência.

Isso afeta a produtividade da equipe como um todo, uma vez que o líder precisa redistribuir as tarefas da pessoa que está ausente, sobrecarregando os demais colaboradores, ou reprogramar suas entregas.

As principais causas do absenteísmo são os problemas de saúde, sejam eles de ordem física ou psicológica.

O presenteísmo, por sua vez, ocorre quando o funcionário está presente no local de trabalho, mas tem sua produtividade reduzida. Isso pode ocorrer por diversos motivos: dores, mal-estar, fadiga, abalo emocional ou até mesmo por sentir-se pressionado, sobrecarregado ou não reconhecido, por exemplo.

Assim, mesmo fisicamente presente, sua produtividade fica comprometida e tarefas que normalmente seriam executadas sem maiores esforços começam a ficar atrasadas ou malfeitas.

Como o presenteísmo afeta o turnover?

Antes de mais nada, vamos relembrar o conceito de turnover. Ele diz respeito à rotatividade de funcionários na empresa. Um alto índice de turnover é prejudicial ao negócio, uma vez que ele envolve diversos custos e queda na produtividade.

Veja abaixo os principais:

  • verbas rescisórias pagas aos funcionários que estão deixando a empresa;
  • custos com recrutamento e seleção;
  • custos com treinamento do novo funcionário;
  • paralisação das atividades atribuídas àquela posição durante o processo de transição;
  • perda dos conhecimentos e experiência do colaborador antigo.

Assim, o presenteísmo no trabalho indica que o funcionário não está satisfeito por algum motivo. Isso aumenta consideravelmente a probabilidade de ele sair da empresa, elevando o turnover.

Como lidar com o presenteísmo?

As empresas e os líderes podem e devem tomar medidas para reduzir o presenteísmo. Entre elas, destacamos:

  • implementação de programas de qualidade de vida, que ajudem o colaborador a lidar melhor com o stress e a reduzi-lo;
  • adoção de ginástica laboral, contribuindo para a melhora nas dores físicas decorrentes do trabalho;
  • melhora no ambiente organizacional, a partir de pesquisas entre os colaboradores que apontem os principais fatores que impactam no clima da empresa;
  • oferta de grupos terapêuticos, que ajudem os funcionários a conquistar o bem-estar emocional.

Por fim, vale destacar uma ferramenta que tem ajudado os líderes a entender melhor as questões que impactam seus colaboradores e a lidar com elas: é a prática chamada de 1:1 (one on one).

De forma bem resumida, é uma conversa entre duas pessoas para tratar de um tema que demande atenção. A fim de ser produtiva e atingir seus objetivos, seu foco deve estar no colaborador e não no líder, ou seja, o liderado deve trazer a pauta, que precisa ser discutida com liberdade.

Além disso, as conversas devem envolver um alto nível de reflexão e terem uma frequência predefinida. Com essas medidas, essa prática costuma trazer benefícios para todos, aumentando a produtividade e a satisfação do colaborador, contribuindo, assim, para a redução do presenteísmo.

Assim, vimos o que é presenteísmo no trabalho, algumas de suas causas e medidas para minimizar o problema. Você já viveu algo parecido na sua empresa? Compartilhe nos comentários!

Sobre o autor

Eusebio Garcia

Deixar comentário.

Share This